Cadastre-se no site

Primeira página

Seções

Profissões

Doenças

Condições

Cursos

Dicas

Vídeos

Redes Sociais

Cuidar de Idosos

Publicado em: 27/04/2009

A- A+

Vacina, falta de informação e preconceito

  •  Favoritos
  •  Assinar feed
  •  Receba por e-mail
  •  Link para este post
  •  Notificar erro
  • Enviar para amigo

  •  

Passei a semana pensando em falar sobre a campanha de vacinação no artigo da semana e sei que o Dr. Márcio já cumpriu seu papel, falando sobre a importância da campanha de vacinação contra gripe. Porém, como é o tema mais relevante da semana para a população idosa, resolvi escrever mais um pouco, sem medo de ser repetitiva.

Como vocês sabem não sou médica, sou psicóloga, não tenho competência técnica para falar sobre a vacinação do ponto de vista clínico e fisiológico. Porém, um documento já bem conhecido por todos aqueles que trabalham com idosos, são idosos ou têm familiares idosos – o Estatuto do Idoso (Brasil, 2003) – preconiza em seu Art 3°, parágrafo único, que garante prioridade para o “VII – estabelecimento de mecanismos que favoreçam a divulgação de informações de caráter educativo sobre os aspectos biopsicossociais de envelhecimento”. O cuidar de idosos é um canal que privilegia a interação entre profissionais, cuidadores e idosos, por isto é um espaço privilegiado para a transmissão de informações referentes ao processo de envelhecimento.

As políticas públicas brasileiras têm privilegiado a atenção diferenciada ao idoso, mas, infelizmente, muitas vezes a falta de informação e até mesmo o preconceito faz com que muitas pessoas deixem de usufruir seus direitos adquiridos. Sim, mais uma vez o preconceito é um entrave. De acordo com o dicionário Michaelis, “preconceito” é: “Conceito ou opinião formados antes de ter os conhecimentos adequados; opinião ou sentimento desfavorável, concebido antecipadamente ou independente de experiência ou razão”. Ou seja, o senso comum formulou opiniões acerca da campanha de vacinação para os idosos, várias destas infundadas e não embasadas em opiniões confiáveis.

Neste caso, a falta de informação é um alimento para o preconceito e não falo apenas das informações em massa divulgadas pela mídia. Idosos e familiares podem e devem esclarecer suas dúvidas com seu médico, questionar, sem medo de demonstrar falta de conhecimento ou insegurança. Infelizmente percebo também que nas campanhas de vacinação nem sempre os enfermeiros e técnicos envolvidos na função estão devidamente preparados para orientar e esclarecer dúvidas no momento da vacinação.

Em função desta falta de informação, do preconceito e da facilidade com que as informações circulam entre as pessoas, crenças infundadas são facilmente disseminadas pela população, sem antes passar pelo crivo da verdade. E infelizmente as pessoas acreditam e, no caso da vacina contra a gripe, muitos idosos deixam de tomar em virtude disto.

Costumo perguntar aos idosos que conheço se eles já tomaram a vacina contra a gripe e, no decorrer dos anos, não é apenas o vírus que sofre variação, estas crenças também mudam, só que percebo que, infelizmente, até hoje algumas pessoas continuam a ter uma imagem negativa a respeito da vacinação. Quando pergunto por que a pessoa optou por não ser vacinada chego a me assustar com as respostas, algumas delas elucidadas abaixo:

  • “Não tomo vacina porque um conhecido meu tomou e ele ficou ainda mais gripado”;
  • “Não vou tomar a vacina este ano porque no ano passado eu já me vacinei”;
  • “A vacina da campanha é pior que aquela oferecida nos serviços particulares de saúde”;
  • “Não vou vacinar meu pai porque ele tem Alzheimer, está acamado, e como não sai de casa não vai gripar”;
  • “Não vou tomar a vacina porque eles não têm pena dos idosos e colocam uma agulha enorme”;
  • “Não vou vacinar porque um ‘resfriadozinho’ de vez em quando não faz mal a ninguém”;
  • “Esta vacina é uma estratégia do governo para matar os idosos mais rapidamente” (Esta foi a resposta mais impressionante que já ouvi e quando indaguei se a pessoa havia visto fotos de autoridades da política sendo vacinadas, eis a resposta: “Claro, eles têm que mostrar que estão tomando a vacina, mas esta não é a mesma que a gente toma lá no posto”.

Enfim, como disse não sou médica, mas procuro me informar com profissionais da área e até mesmo nos meios de comunicação confiáveis para poder dar respostas para estas pessoas. O site do Ministério da Saúde é uma boa fonte. A única restrição que encontrei lá é que a vacina não deve ser tomada por idosos alérgicos a ovo e os com problemas de imunidade baixa devem antes consultar seu médico.
Dentre nós aqui do site o Dr. Márcio seria o mais indicado para responder a estes comentários, mas arrisco, sem medo de errar, a afirmar que:

· A vacina contra a gripe é um direito de todos os maiores de 60 anos, que previne a gripe e minimiza o risco de internações em virtude de possíveis complicações (por isto os pacientes acamados também devem se beneficiar da vacina);

· A qualidade da vacina é assegurada pelo Ministério da Saúde, sendo, portanto, tanto ou até mais confiável que vacinas oferecidas por clínicas particulares;

· O vírus da gripe é mutante e adquire características novas anualmente, por isto é necessário se vacinar todos os anos (a agulha é pequenininha) e a vacina não vai te deixar gripado;

· E, finalmente, as campanhas, vacinas, profissionais e remédios do Ministério da Saúde são extremamente confiáveis, sendo absurdo afirmar que são uma tentativa de vitimar a população idosa. E os governantes maiores de 60 anos tomam vacina sim!

Enfim, acabei me estendendo mais que queria, mas o assunto é importante e atual. Vacinem-se! E não se esqueçam, perguntar não ofende; o que pode trazer prejuízos é o preconceito e a falta de informação. Por isto é importante se informar com quem tem competência técnica para responder corretamente!
Boa semana!

Luciene C. Miranda

flyer vacinacao idosos 21x12 300x216 Vacina, falta de informação e preconceito

Luciene C. Miranda

Psicóloga - lucienecm@yahoo.com.br

Mais Antigo

Avalie este artigo

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Nenhum voto)
Loading ... Loading ...

Links relacionados

  • Nenhum post relacionado

Ainda sem comentários em “Vacina, falta de informação e preconceito”

  1. Ivan, muito obrigada por seu depoimento de utilidade pública. Espero que outras pessoas façam como vc: reivindiquem os direitos de seus idosos junto às autoridade competentes e assim garantam a eles uma melhor qualidade de vida e saúde.

  2. ivan prado disse:

    olá, tenho minha mae com 82 anos com mal de alzymer,quero alertar sobre a vacina de pneumonia,a dez anos atraz minha mae tomou essa vacina, e o miniterio da saúde disse que nao precisava mais tomar, porque ela já estava imune, só que ela vinha pegando pneumonia direto, eu falei com oo medico do posto e ele disse que ela precisava tomar sim outra vez essa vacina, pois nao estava mais fazendo efeito, o medico fez uma cartinha pedindo essa vacina e eu fui no posto de saúde e fiz o pedido, em um mes a vacina chegou e ela tomou a vacina e já faz dois anos que ela nao pega pneumonia, só quero alertar que procurem o medico e faça como eu, pergunte a ele se é necessario tomar a vacina, pois pessoas acamadas como minha mae , estao muito vulneraveis a essa pneumonia, acho que todo idoso, deveria tomar a vacina de peumonia, ela nao tem nos postos, temo que pleitear junto ao ministerio , asim como eu pleiteei e consegui ;fica aqui o meu registro, espero poder ajudar a quem precisa, com algumas informaçoes abrs a todos…

  3. Luciene Miranda disse:

    Jocilene!
    Obrigada pela participação!
    Como havia falado no comentário da Gracinha, fico surpresa em saber que estas crenças não são comentários pontuais e regionais, pelo que observo isto existe msm e talvez ajude a nos explicar o pq da adesão dos idosos às campanhas não ser como o previsto pelo Ministério da Saúde. Espero que possamos ajudar um pouco transmitindo essas informações, não é msm?
    Um abraço

  4. Jocilene Ferreira Dias disse:

    Luciene,
    Parabens pela sua brilhante colocação, sou enfermeiro e trabalho com pacientes portadores de Alzheimer, e , posso te garantir que ouvi as mesmas respostas ao questionar os cuidadores dos meus clientes. Acredito que falta um pouco mais de informação na mídia a respeito de que clientes demenciados tambem devem ser vacinados.
    Mais uma vez parabens.

  5. Luciene Miranda disse:

    Oi Gracinha!
    Estou surpresa de saber que estas crenças não são típicas apenas da minha região. Isto é ainda mais preocupante, vc não acha? Que bom que vc gostou do artigo, estava com medo de ficar repetitivo..
    Então a Dona Zezé foi estrela de um programa de tv? Que legal..
    Bjo

  6. gracinha medeiros disse:

    Luciene, será que vc anda conversando com as mesmas pessoas que eu converso aqui na Bahia? Pois é Lu, todas essas respostas que vc ouve por aí pelas Minas Gerais, todos os anos eu ouço de vários baianos em qualquer lugar que vc chegue.
    A falta de informação e/ou a distorção das informações é um problema muito sério!
    Aplaudo a sua iniciativa de falar sobre uma questão tão importante para a qualidade de vida dos idosos! Vamos lá minha gente, vacinem-se o quanto antes!
    Nos postos de saúde, se o idoso não puder sair do carro, o pessoal vem até o veículo aplicar a vacina – fiz isso com a minha mãe que até foi filmada pela equipe da SBT local. Gente, é rapidinho e se o idoso estiver acamado há equipes que vêm aplicar na residência, sabiam?!
    Beijos Lu e mais uma vez parabéns!

Quer adicionar uma foto no seu comentário?

Entre no site gravatar.com, crie uma conta e faça o upload da sua foto.

Comente

  • Nenhuma citação para este post.

Enquete

Você sabia que o novo CLASSIFICADOS PROCURO CUIDADOR agora também anuncia empresas e profissionais de saúde?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Mapa
© 2010 Cuidar de Idosos. Todos os direitos reservados. Reprodução sem permissão não é permitido.

© 2012 CUIDAR DE IDOSOS

Recomendamos também a leitura de: